Pororoca de clichês

MARVIN

MARVIN, de Anne Fontaine, é um filme coalhado de clichês. Na base de tudo, o lugar-comum do jovem gay tímido que descobre no teatro a saída para a autorrealização. Marvin troca a cidade natal, a família disfuncional e o bullying escolar por Paris e um círculo de amigos inclusivos.

Os estereótipos abundam. Os pais de Marvin são caricaturas de pobres grosseiros e preconceituosos. Em oposição a isso, ele encontra um cortejo de anjos digno de igreja barroca. Todos bem mais velhos, o que indica um psicologismo fácil de substituição da figura dos pais. Ele é praticamente adotado pela diretora da escola. Já adolescente, toma como modelo o professor de teatro, homossexual “sério” e moralista. Relaciona-se com um escritor maduro e boa praça. E ainda conta com o apoio de Isabelle Huppert (como ela mesma) para levar adiante seu projeto de peça autobiográfica. Projeto, aliás, que nunca ultrapassa o clichê do desabafo nem se estabelece dramaticamente dentro do filme.

Outro problema grave é a ruptura implausível entre o Marvin menino e o adolescente. A mudança de temperamento, de ritmo físico e mesmo de aparência entre os dois atores me fez encará-los como dois personagens diferentes que não resultavam um no outro.

Anne Fontaine é uma cineasta sensível a temas como afirmação individual e interação solidária, mas a irregularidade de sua carreira inclui pontos fracos como esse MARVIN.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s