Um Herzog surpresa

Taí a pílula que escrevi sobre Vício Frenético, de Werner Herzog, no último Festival do Rio:

É preciso dar uns 15 minutos para sintonizar-se com a proposta de Werner Herzog nesse filme surpreendente sob todos os aspectos. O que a princípio soa ridículo e caricato aos poucos ganha foros de sátira ao policial hollywoodiano e à dramaturgia da redenção. Reinvenção do thriller homônimo de Abel Ferrara, tem mais humor, veneno e loucura que o original. Herzog encontrou em Nicolas Cage seu novo Klaus Kinski: postura de Nosferatu, cabelo do próprio Herzog, pique doidão de Cage mesmo. O tenente que usa o poder policial para alimentar sua dependência química e saldar suas dívidas de jogo é aqui uma bomba sempre prestes a explodir. E como estamos em território herzoguiano, não faltam visões de iguanas (filmadas pelo diretor), jacarés atropelados e almas dançando após um tiroteio. O mais inesperado, porém, é o humor impudente, quase tarantinesco, que Herzog imprime em todo o filme, com alguns momentos definitivamente antológicos. ♦♦♦♦

Um comentário sobre “Um Herzog surpresa

  1. Pingback: Meus filmes do ano « …rastros de carmattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s