Bad trip cinematográfica

CLÍMAX

Gaspar Noé, o radical chique do cinema francês, barbariza mais uma vez. Depois de aventurar-se pelo estupro e a ultraviolência (Irreversível), pelo esoterismo post-mortem (Viagem Alucinante) e pelo sexo explícito (Love), em CLÍMAX ele adentra o inferno de uma bad trip coletiva. Vinte bailarinos ensaiam um espetáculo (na verdade, exibem-se) e conversam fiado sobre sexo quando de repente percebem que a sangria que tomavam estava temperada com LSD.

Eis o pretexto para Noé transportar o vertiginoso talento contorcionista de seus bailarinos de street dance para um pesadelo coreográfico regado a gritos, estertores, investidas sexuais randômicas, violência, autoflagelação e até um matricídio. A plateia agradece por não presenciar alguma castração ou degola.

É inegável a exuberância das duas grandes cenas de dança, uma delas filmada do alto, numa angulação que altera completamente a percepção dos movimentos. O mesmo se pode dizer da perícia com que a câmera “persegue” os personagens em seus delírios através dos diversos cômodos do cenário.

Mas uma pergunta nos espera no final: para quê tudo isso? Gaspar Noé é um extremista do cinema comercial que não tem nada a dizer quando alcança seus extremos. A gritaria e a batida ininterrupta da dance music, somadas à absoluta futilidade das conversas (antes e depois do LSD), foram para mim uma overdose do intragável.

Topei com uma boa definição de CLÍMAX pelo crítico da Variety: “Fama dirigido pelo Marquês de Sade com uma steadicam”. Para quem aprecia uma mistura dessas, bom proveito!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s