Os voos de Manuela

LA MANUELA

A belíssima Manuela Lavinas Picq, personagem-título do documentário LA MANUELA, é uma mulher fascinante. Filha da economista e professora brasileira Lena Lavinas e de pai francês, nasceu na França durante o exílio político da mãe. Jornalista e professora de Direito Internacional, exímia poliglota, Manuela é também alpinista e praticante de voos em parapente. Numa de suas aventuras, apaixonou-se pela causa das mulheres indígenas do Equador e, em seguida, por Carlos Pérez Guartambel, líder de um movimento de nações originárias daquele país. Seu prenome gerou uma associação mágica com a revolucionária Manuela Sáenz, companheira de Simon Bolívar, e fez dela um símbolo no movimento indígena equatoriano.

Seus embates com as pautas extrativistas do governo de Rafael Correa, seguido por um exílio forçado após ser detida durante uma manifestação e perder o visto, são contados por sua amiga de infância e adolescência, a cineasta Clara Linhart, diretora de Domingo junto com Fellipe Barbosa. O filme passa nesta sexta-feira, 17/5, às 17h40, na Mostra do Filme Livre (CCBB-Rio).

LA MANUELA se beneficia de um misto de intimidade e objetividade no acompanhamento de três anos da vida de Manuela e Carlos. Política, história de amor e retrato de mulher se mesclam habilmente através de encontros, separações, discussões e impasses. Entre o Equador, o Brasil, Berlim e Boston, o nomadismo de Manuela atrás de trabalho, estudo e ativismo confere ao filme uma atraente imprevisibilidade, assim como uma variação constante de texturas e atmosferas.

Manuela parece longe de ser a militante sisuda ou a acadêmica professoral. Sua diferença física e cultural em relação aos indígenas a que se alinhou e dedicou fervorosamente faz dela uma personagem rara, quase improvável. Ela não procura dissimular essa diferença e nem esconde o viés romântico que mantém com a natureza e a política do Equador.

Manuela e Clara

Nas frestas desse perfil de amiga, o filme de Clara Linhart deixa entrever um exemplo das demandas e contradições da esquerda latino-americana nos últimos anos. O governo de Rafael Correa entrou em choque com movimentos sociais, contexto no qual se deu a prisão de Manuela e Carlos em 2015. Mas, ao contrário do que ocorreu no Brasil a partir de 2013, não houve golpe. Correa ainda conseguiu safar-se da onda “anti-corrupção” e fazer seu sucessor, Lenín Moreno, em 2017. Naquela campanha eleitoral, depois de sair do páreo como pré-candidato à Presidência, Carlos  apoiou o opositor de Moreno, Guillermo Lasso, representante do rentismo e do capital financeiro.

Até onde se deve ir no confronto com um inimigo parcial? – eis uma pergunta crucial para esses tempos. Lá como aqui, a esquerda mais purista não compreendeu o jogo de forças que apontava para a reorganização da direita a nível mundial. No Equador, porém, aconteceu o impensável. Moreno rompeu com Correa e, numa guinada traidora, se aproximou dos EUA, culminando com a entrega de Julian Assange às autoridades britânicas em abril último.

Em janeiro de 2018, Manuela pôde enfim retornar ao Equador e aos braços do seu amado. O filme termina bem para eles, mas deixa um rastro de férteis controvérsias para nossa reflexão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s