Fantasmas da soja

MADALENA no Festival de Roterdã

Nos primeiros minutos de Madalena, tudo o que vemos são campos imensos de soja. Estamos no Mato Grosso do Sul, um dos maiores polos do agronegócio no Brasil. A soja desenha um imenso tapete verde que, visto assim, sugere um grande vazio, cujos pontos mais remotos só os drones conhecem. Algumas emas despontam entre as folhas até que divisamos um corpo no meio da plantação. É Madalena, mulher trans, mais uma vítima de uma onda de assassinatos que (não) assombra a região.

Convém desde o início anular as expectativas de um filme policial. Em sua estreia na direção, Madiano Marcheti não está interessado no mistério, nem em sua investigação. A morte de Madalena é um leit motiv que se presta a desvelar um cenário humano e cultural muito particular. Rodado em Dourados e Bonito (MS), Madalena descortina sem pressa o mundo dos agroboys arrogantes, dos motoqueiros roncando testosterona, das dancinhas ao som de “sofrências”, das boates espelhadas e das mensagens evangélicas no ar.

Três personagens se sucedem na tela, cada um conectado de alguma maneira ao desaparecimento de Madalena. Luziane (Natália Mazarim), porteira de boate, é a primeira a perceber a ausência da amiga. Cristiano (Rafael de Bona), filho de fazendeiro e de candidata a senadora, entra em pânico com o que vê durante uma inspeção do campo. Bianca (Pâmela Yulle), amiga também trans, organiza a partilha do espólio da falecida. Eles não se conhecem entre si, nem compartilham a mesma conjuntura. Cada um está voltado para seu projeto de vida, o qual reflete um pedaço da realidade do lugar.

Ou seja, tudo converge para a crônica desse Brasil sertanejo cheio de dinheiro e desigualdades, mas onde também se encontram sinais de diversidade. A relação de Bianca com suas amigas LGBTs aparece como um contraponto à toxicidade dominante.

Embora possa soar um pouco vago no seu teor crítico quanto ao extermínio de transexuais e travestis no Brasil, Madalena tem uma consistência rara no cinema de ficção brasileiro recente graças aos méritos de realização e produção. Os espaços rurais e urbanos, filmados com rigor excepcional, parecem vazios fantasmagóricos onde a vida está submetida à produtividade. A direção é muito hábil na criação de um suspense psicológico que roça o horror, mas sem nunca embarcar nesse gênero. Os atores, em sua maioria do MS, estão impecáveis de ponta a ponta. Tecnicamente, o filme funciona como um relógio de precisão. Não é sempre que encontramos um longa de estreia com esse nível de maturidade e sobriedade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s