Os faróis de Karim Aïnouz

“Pelo tesão, pelo puro tesão de ver a Jane Birkin e o Joe d’Alessandro, nus, tesudos e fodendo sem parar. Tenho saudade e sinto não termos mais filmes contemporâneos com essa força, com essa coragem, com essa sensualidade”. Karim Aïnouz sobre Je t’Aime… Moi non Plus, de Serge Gainsbourg, um de seus filmes-faróis. Leia mais no blog…

Os faróis de Vicente Amorim

Sobre Tempestade de Gelo: “Delicado e violento, esse filme do Ang Lee me toca de forma especial, pois eu morei, com meus pais, num subúrbio americano não muito diferente do que é retratado no filme e na mesma época, o meio dos anos 1970 (embora eu fosse um pouco mais jovem que os personagens). A direção…

Mostra Faróis em segunda semana

A II Mostra Faróis do Cinema está entrando em sua segunda semana na Caixa Cultural RJ. O programa de hoje (terça) é um pequeno festival de curtas e médias dos realizadores farolados nesta edição. Veja a seguir: (sala 1) 16h – Ismael & Adalgisa + Sexualidades (de Malu DeMartino) 18h – Anjos Urbanos + Crepúsculo…

Segundas luzes

A segunda edição da Mostra Faróis do Cinema começa hoje (terça) na Caixa Cultural RJ. A sessão de abertura exibirá a cópia restaurada de Xica da Silva, de Cacá Diegues, que é um dos “farolados” da mostra. Como no ano passado, haverá exibições e encontros com cineastas. A curadoria este ano é de Marcelo Laffitte,…

Os faróis de Marcelo Laffitte

“As situações extraordinárias e os personagens bizarros me foram apresentados por David Lynch como uma crônica da normalidade, como se o mundo fosse exatamente daquele jeito. Todos os meus trabalhos, desde Vox Populi até Elvis & Madona, têm esse ingrediente”. Marcelo Laffitte falando sobre Veludo Azul, um dos seus filmes-faróis. A lista completa com seus comentários está no…

Os faróis de Neville D’Almeida

“Genet, que não era cineasta, foi capaz de fazer um dos filmes mais mitológicos da história do cinema.A coragem, a liberdade, a sensibilidade deste filme feito em 1950 tiveram um impacto brutal. Foi interditado, proibido e ameaçado de ter os negativos queimados. Genial”. Neville D’Almeida refere-se a Un Chant d’Amour, de Jean Genet, apontado como…

Os faróis de Malu De Martino

“Das posições de câmera inusitadas à narração super bem aplicada, O Escafandro e a Borboleta é um quadro pintado por aquele que considero um artista plástico dos melhores e que não se contenta com uma ou outra tela, e sim com todas as possíveis.” Este filme de Julian Schanbel é um dos faróis da diretora brasileira Malu…

Os faróis de Vinícius Reis

“Paulo José e Dina Sfat se amando numa garagem ao som de “Essa garota é papo firme”, do Roberto Carlos, é uma cena que faz você desejar o cinema. Descobri a antropofagia em uma tarde de 1987, no Estação Botafogo!” Isso é Vinícius Reis (A Cobra Fumou, Praça Saens Peña) falando de Macunaíma, de Joaquim Pedro de…

Os faróis de Ricardo Miranda

“Uma das tarefas é achar imagens que não bloqueiem a imaginação do espectador”. Jean-Marie Straub citado por Ricardo Miranda a propósito de um de seus filmes-faróis. Veja as 10 escolhas de Ricardo no blog Faróis do Cinema.

Os faróis de Victor Lopes

O conceito dos contos originais de Raymond Carver já seria por si só uma boa definição do documentário, ou de uma de suas muitas formas: levantar os telhados das casas, entrar e atravessar a vida de algumas pessoas. Nas mãos de Robert Altman, mestre em narrativas com muitos personagens, tornou-se uma obra-prima que instiga a…

Os faróis do “Bigode”

“A utilização de não-atores, a deslumbrante luz de sua fotografia (somente comparável à de Gabriel Figueroa nos filmes de Buñuel, com certeza seu discípulo), a mise-en-scène despojada e que poderia vislumbrar-se no que mais tarde se convencionou chamar de naturalismo, a narrativa quase naïf, talvez numa homenagem inconsciente às pinturas de Paul Gauguin em seu…

Os faróis de Anna Muylaert

“Acho que minhas maiores influências, desde a época dos meus curtas até os longas, são cineastas independentes americanos como Wes Anderson e os irmãos Coen, e também Woody Allen. Talvez porque sejam cineastas que trabalham com a ironia, assim como eu. Mas Gus van Sant, por exemplo, é um mestre do estilo. É impossível não…

Os faróis de Silvio Tendler

“Inside Job mostra que o cinema está indo cada vez mais para o campo da ação política. E que esse modelo de documentário dominante no Brasil, de reproduzir o que Jonas Mekas fez nos anos 1960, está superado”. A afirmação é de Silvio Tendler, ao comentar o mais recente dos seus filmes-faróis. Conheça-os todos no site…

Os faróis de Joel Pizzini

“… a espontaneidade provocada, a decupagem do cotidiano criativo do poeta. Pasárgada é um lugar que despista o desdobramento naturalista que a locução, neste tom, naturalmente sugere. Um docomentário que vai para lugar-nenhum, ou melhor, para o reino da poesia” Isto é Joel Pizzini falando de O Poeta do Castelo, de Joaquim Pedro de Andrade, um dos…

Os faróis de Laís Bodanzky

“Guerra nas Estrelas, uma experiência sensorial cinematográfica que me pegou ainda menina, sonhando em ser princesa”. Laís Bodanzky tem seus filmes-faróis publicados no blog Faróis do Cinema. Dê uma conferida e saiba um pouco mais sobre a carreira da diretora de As Melhores Coisas do Mundo.    

Os faróis de José Joffily

“Um filme narrado por um morto sempre será interessante. E o oportunismo é um ótimo tema para se falar. Não pertence à categoria dos grandes temas, como inveja, ciúme ou ambição, mas todos nós temos um pouco de Joe Gillis e Norma Desmond. É o melhor filme que já vi sobre este singelo sentimento”. Isto…

Os Faróis de Carlos Adriano

“Jean-Marie (Straub) e Danièle (Huillet) se conheceram em Paris em novembro de 1954 e militaram por um cinema radical e sem concessões por quase quarenta anos, numa rara combinação de modernidade estética e político engajamento. Cada filme era um manifesto civilizador para o nosso tempo. Método de ética, rigor e essência.” Carlos Adriano fala do casal Straub-Huillet…

Faróis de Belmonte

“Personagens brigando contra sua própria natureza. O olhar para miudezas que revela o todo, a montagem que acelera e retarda desconstruindo o tempo e revelando os personagens. Preparação, tensão, resolução”. Isto é José Eduardo Belmonte falando de Touro Indomável, de Martin Scorsese. Saiba mais sobre os Faróis de Belmonte no site Faróis do Cinema.

Os Faróis de Geraldo Sarno

“Acossado, de Jean-Luc Godard, é o filme-ruptura que dá início à aventura mais extraordinária e trágica de um cineasta em busca de uma renovação da linguagem do cinema”. A observação é de Geraldo Sarno, que abre hoje a nova série do blog Faróis do Cinema. Clique aqui para visitá-lo. Depois de sua temporada inicial no antigo…

Os Faróis de Mário Carneiro

“Falconetti ficava o tempo todo sentada, mas naquele filme parece que o Cinema se levantou e ficou de pé”.  Mário Carneiro sobre A Paixão de Joana D’Arc, de Carl T. Dreyer. Conheça os Faróis de Mário Carneiro, homenageado hoje (segunda) na abertura da Mostra Faróis do Cinema – Documentário Brasileiro. Tudo no blog da mostra.