Retrato de mulher

Finalmente vi Rita Cadillac – A Lady do Povo. É escancarada a diferença em relação ao Alô, Alô Terezinha, do Nelson Hoineff. Isto porque Toni Venturi, ao colar no perfil de uma única ex-chacrete, optou pela narrativa biográfica. Mas não vi nessa escolha um redutor, como afirma minha amiga Patricia Rebello em sua resenha no site Críticos.

Hoineff, em seu painel, procurou o lado performático das reboladeiras e dos ex-calouros. Fez um filme divertido e coerente com sua proposta: revelar uma certa continuidade no perfil daquelas pessoas desde a época da Discoteca do Chacrinha até hoje. Venturi, porém, investiu na dualidade inerente à figura de Rita de Cássia/Rita Cadillac. O filme busca uma espécie de auto-análise, em que ora é Cássia que reflete sobre Cadillac, ora é Cadillac que se sobrepõe a Cássia. Desse olhar em mão dupla nasce a identidade do documentário.

Rita aparece engraçada, sensual, elegante, inocente, humana, às vezes quase carola na má consciência sobre os tempos loucos de garota de programa e atriz pornô. Com carinho e respeito, o filme abre uma janela para Rita expor suas contradições (se é que há mesmo contradições entre a vamp dos palcos e a dona de casa) . Surge daí um retrato de mulher bastante interessante.           

Um comentário sobre “Retrato de mulher

  1. Pingback: Toni Venturi on demand | carmattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s