In the Land of Blood and Honey

Festival do Rio

Tiro pela culatra

Duas explosões, uma no início e outra no final do filme, selam o destino do par romântico formado por um oficial sérvio e uma pintora muçulmana durante a guerra da Bósnia, nos anos 1990. Entre uma explosão e outra, Angelina Jolie faz sua estreia na direção com um filme de guerra em velho estilo e com as melhores intenções. A guerra faz com que a pintora se torne prisioneira do oficial, abrindo um leque de possibilidades entre a paixão, o oportunismo e a traição. O espectador não fica completamente imune a essas tensões, mas tem que enfrentar uma série de obstáculos até a cena final.

A começar pela insistência de Jolie (que também escreveu e produziu o filme) em detalhar as humilhações e a vitimização das mulheres. Chega-se à fronteira do excesso na caracterização (ou melhor, caricaturização) dos soldados sérvios como carrascos e animais impiedosos, em oposição às vítimas indefesas e vilipendiadas. E não se trata de um retrato patológico como o do oficial nazista de A Lista de Schindler, mas de um perfil coletivo. Não resta dúvida de que os sérvios foram vilões naquele conflito, mas no cinema, a verdade é sempre refém da veracidade. Por sinal, os bósnios negaram apoio à produção, que teve de transferir as filmagens para a Hungria.

Depois, há os aspectos inconvincentes do cativeiro “de luxo” da moça em meio ao ódio dos sérvios contra os muçulmanos. Em alguns momentos, a atmosfera forçadamente romântica parece pertencer a outro filme bem diferente do que estamos vendo. Por fim, o filme foi rodado em duas versões com os mesmos atores falando bósnio e inglês. A versão que está circulando internacionalmente é em inglês, o que liquida com qualquer pretensão de verismo étnico e histórico. A impressão é que estamos diante de um antigo drama de guerra mal dublado para o público preguiçoso americano.

La Jolie prova que tem pulso empreendedor, tenacidade política e consciência de justiça, mas deixou-se levar pelas facilidades do gênero e as conveniências da ideologia. E errou feio ao lançar uma versão macarrônica, verdadeiro tiro pela culatra.

Um comentário sobre “In the Land of Blood and Honey

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s