Tiro pela culatra

Angelina Jolie no set

Angelina Jolie no set

(Texto publicado originalmente durante o Festival do Rio 2012)

Duas explosões, uma no início e outra no final do filme, selam o destino do par romântico formado por um oficial sérvio e uma pintora muçulmana durante a guerra da Bósnia, nos anos 1990. Entre uma explosão e outra, Angelina Jolie faz sua estreia na direção com Na Terra de Amor e Ódio (In the Land of Blood and Honey), um filme de guerra em velho estilo e com as melhores intenções. A guerra faz com que a pintora se torne prisioneira do oficial, abrindo um leque de possibilidades entre a paixão, o oportunismo e a traição. O espectador não fica completamente imune a essas tensões, mas tem que enfrentar uma série de obstáculos até a cena final.

A começar pela insistência de Jolie (que também escreveu e produziu o filme) em detalhar as humilhações e a vitimização das mulheres. Chega-se à fronteira do excesso na caracterização (ou melhor, caricaturização) dos soldados sérvios como carrascos e animais impiedosos, em oposição às vítimas indefesas e vilipendiadas. E não se trata de um retrato patológico como o do oficial nazista de A Lista de Schindler, mas de um perfil coletivo. Não resta dúvida de que os sérvios foram vilões naquele conflito, mas no cinema, a verdade é sempre refém da veracidade. Por sinal, os bósnios negaram apoio à produção, que teve de transferir as filmagens para a Hungria.

Depois, há os aspectos inconvincentes do cativeiro “de luxo” da moça em meio ao ódio dos sérvios contra os muçulmanos. Em alguns momentos, a atmosfera forçadamente romântica parece pertencer a outro filme bem diferente do que estamos vendo. Por fim, o filme foi rodado em duas versões com os mesmos atores falando bósnio e inglês. A versão que circulou no Festival do Rio era em inglês, o que liquidava com qualquer pretensão de verismo étnico e histórico. A impressão era de que estávamos diante de um antigo drama de guerra mal dublado para o público preguiçoso americano.

La Jolie prova que tem pulso empreendedor, tenacidade política e consciência de justiça, mas deixou-se levar pelas facilidades do gênero e as conveniências da ideologia. E errou feio ao lançar uma versão macarrônica, verdadeiro tiro pela culatra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s