Patologias da América profunda

É surpreendente que um filme “pequeno” como TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME, com seu jeito meio indie, tenha derrotado “Dunkirk” e outros favoritos para o Globo de Ouro de melhor drama e esteja chegando como um dos favoritos ao Oscar. Mais ainda que tenha ganho o Globo de Ouro de roteiro, onde não faltam incongruências e coincidências que o fragilizam bastante. Mesmo assim, traça um quadro de sociopatia muito definidor do Centro-Oeste americano.

O Missouri é um dos estados mais racistas dos EUA. Aqui esse racismo fica no subtexto, já que a ação se passa quase exclusivamente entre brancos. O que indica, aliás, a brutalidade como um dado que independe do preconceito racial, já que é a supressão do pensamento crítico e do senso de proporção na maneira como se rejeita tudo o que possa ser considerado um desvio da norma – um negro, um anão, uma menina rebelde, um rapaz branco que esteja “do lado errado”, uma mulher intempestiva.

A aparente banalidade do incidente inicial – três outdoors cobrando justiça à polícia – se desenrola numa cadeia de ódios, ameaças e vinganças, sem promessa de redenção. Mildred e Dixon (Frances McDormand e Sam Rockwell, ambos premiados no Globo de Ouro) são criaturas até certo ponto semelhantes, embora estejam em lados opostos do conflito. Ela, empenhada em identificar o homem que estuprou e matou sua filha, remorde-se de culpa e não vê limites para o que entende como justiça. Ele, mimado por uma mãe fascista, só enxerga a ultraviolência como forma de punição. Entre os dois está o chefe de polícia (Woody Harrelson), cuja personalidade se desdobra como uma surpresa trágica para o espectador.

Um dos fatores de adesão ao filme escrito e dirigido por Martin McDonagh é o humor que irrompe nas horas mais, digamos, inapropriadas. Coquetel estranho esse de comicidade, patologia e violência numa América profunda que sai aos socos com suas próprias raízes.

Não quero questionar a premiação da sempre excepcional Frances McDormand, mas em TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME não vi nada que ela já não tenha feito com a mesma competência em tantos filmes. Na verdade, esse é um papel que ela deve ter desempenhado sem grande esforço. Na verdade mesmo, embora seja a detonadora da história, sua personagem nem chega a ser a principal, posto que cabe a seu antagonista, o policial psicopata vivido com gana demente por Sam Rockwell. É ele quem ocupa o maior tempo de tela e passa pelas mais graves situações. O filme chegou a ser criticado nos EUA por conta de seu personagem se encaminhar para uma suposta redenção. Aliás, uma interpretação equivocada do incômodo e negativo desfecho.

Um comentário sobre “Patologias da América profunda

  1. Um filme muito chocante eu gostei a históira e o trabalho de elenco. Filmes dramáticos sempre lidam com problemas reais, podem ser duros e cruéis, mas não devem ser escondidos. Recentemente vi um filme que me deixou chocado, a história é muito boa e acima de tudo faz o espectador refletir, O conto é um filme que vale muito a pena ver, o tema é interessante. É umo dos excelentes filmes de drama. Un filme que debe assistir, você não vai se arrepender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s