Festival do Rio: Memória da Dor

A maestria de Marguerite Duras em criar um distanciamento literário entre fatos e seu relato passa a salvo do livro para o filme MEMÓRIA DA DOR (La Douleur). Ao voltar-se para seus diários da época da II Guerra, quando seu marido Robert Antelme, líder da Resistência francesa, era preso e deportado para um campo de concentração na Alemanha, Marguerite reexamina a si mesma, sua consciência ética e afetiva.

Assim como o livro de Duras não se prendia ao autobiográfico, o filme de Emmanuel Finkiel se abre para a invenção ficcional. A narrativa se divide claramente em duas partes. Na primeira, em ritmo de thriller, a escritora estabelece uma relação ambígua com Rabier, o agente da Gestapo que havia detido Robert. Enquanto tenta usar essa aproximação para proteger e saber do marido, ela evita ser usada em troca como informante. Percebe-se que esses episódios são bastante romanceados e até mesmo inverossímeis, mas isso importa menos, já que o foco está, desde então, na subjetividade de Marguerite.

A segunda metade do filme inclina-se para uma fenomenologia da espera. Paris é liberada, a guerra encaminha-se para o seu final, e Robert não retorna. Marguerite se transporta para um mundo de suposições e angústias, cercada que está por outras mulheres à espera do retorno de seus entes queridos. A partir de certo ponto, o que interessa observar é o que essa expectativa sempre adiada pode produzir na sensibilidade de quem espera.

Embora conte com uma reconstituição de época eficiente e pontual, Emmanuel Finkiel trabalha basicamente com uma dramática da pouca profundidade de campo, fazendo com que o mundo objetivo perca o foco em benefício das figuras em primeiro plano. Assim ele enfatiza a maneira como Marguerite apreende o mundo de maneira subjetiva e interrogativa em função de seu diário/romance. O texto, com suas habituais repetições e circularidades, é uma espécie de segunda pele com que ela se veste para melhor resistir à dor.

O diretor Emmanuel Finkiel foi assistente de direção de Kieslowski na trilogia “Azul, Branco e Vermelho”. Herdou alguma coisa do estilo do mestre num expressionismo suave, em que a realidade exterior rebate no interior das pessoas. No elenco conduzido com austeridade destaca-se naturalmente a atriz Mélanie Thierry, um rosto relativamente enigmático que tanto revela quanto oculta as transformações interiores de sua personagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s