Ilusões do arrabalde

NO CORAÇÃO DO MUNDO

Um filme sobre pequenos desejos: ter uma festa de aniversário legal, trocar de carro e entrar pro Uber, fumar um baseado sem que a avó sinta o cheiro, comprar uma casinha nem que seja bem longe…

Um filme sobre grandes desejos: vingar a morte do filho, dar o grande lance que pode mudar a vida da noite para o dia e ir parar NO CORAÇÃO DO MUNDO.

Dessas coisas miúdas e graúdas se faz o novo lançamento da produtora mineira Filmes de Plástico.

Permanece a fidelidade canina à paisagem da periferia de Contagem, onde já se filmaram tantos curtas e os longas Ela Volta na Quinta e a obra-prima Temporada, ambos de André Novais Oliveira. Dessa feita, André aparece como diretor assistente. NO CORAÇÃO DO MUNDO foi escrito e dirigido por Gabriel Martins e Maurílio Martins, fundadores da produtora em 2009, juntamente com André e o produtor Thiago Macêdo Correia. Gabriel e Maurílio rodaram o longa entre 2016 e 2017, desenvolvendo o roteiro a partir dos seus curtas Contagem e Dona Sônia Pediu uma Arma para seu Vizinho Alcides.

Durante três quartos de suas duas horas de duração, o filme é uma crônica do cotidiano de seis personagens e seus poucos familiares. Existe uma influência explicitada de Carlão Reichenbach no tratamento afetuoso daquelas figuras do arrabalde – não tanto anjos, mas vistos com certa ternura no desamparo de suas ilusões. Sucedem-se as vinhetas naturalistas extremamente bem encenadas, com diálogos de tamanha fluência e legitimidade local que muitas vezes é difícil assimilar o sentido e o contexto, mas que absorvemos sinteticamente como pura autenticidade.

O olhar afetuoso para as ladeiras, comunidades e moradores daqueles bairros não atenua o clima de violência anunciado já no rap de abertura, que compara a região ao Texas e parece piscar um olho para o estilo de Spike Lee. Estamos, de fato, numa bela confluência do neo-neorrealismo bem-humorado que já vem sendo praticado pela Filmes de Plástico com um cinema contemporâneo de gênero sobre crime urbano e pobreza.

A ação do filme vai paulatinamente se concentrando em torno de três personagens: Marcos (Leo Pyrata), paralisado numa rotina de biscates e pequenos delitos; Ana (Kelly Crifer), sua namorada, cobradora de ônibus que cuida do pai demente; e Selma (Grace Passô), comerciante de fotografias que planeja um grande e arriscado roubo. A meia-hora final é um thriller de assalto conduzido com eficiência e desfecho surpreendente.

Embora haja uma certa condescendência com a conversa fiada, que estende a metragem para além do necessário, e a estética em geral primorosa vacile aqui e ali, os diretores demonstram uma fina compreensão do universo abordado e um apuro extraordinário no uso da linguagem e na condução do elenco. Num conjunto mais que perfeito, destacam-se pelo tempo maior de tela o múltiplo Leo Pyrata, a fofice mineiríssima de Kelly Crifer e a soberania de Grace Passô, que graça a graça, passo a passo, vai se solidificando como a melhor atriz brasileira da hora.

O senso afetivo de comunidade extrapola de Contagem para a comunidade mineira e cinematográfica brasileira. Além da menção a Reichenbach, vê-se a última aparição do cineasta Geraldo Veloso (1944-2018), numa ponta como o  garçom Geraldo, a significativa participação de Karine Teles num papel que relembra sua estreia em Riscado e a atuação bestificante de MC Carol de Niterói como a chapadona Brenda.

NO CORAÇÃO DO MUNDO é mais uma vitória do cinema de Minas, ainda que, dessa vez, com um filme sobre as dinâmicas do fracasso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s