Martín Fierro, Perón, Solanas

OS FILHOS DE FIERRO no Belas Artes à la Carte

A plataforma Belas Artes à la Carte tem no cardápio um filme raro sob vários aspectos. Os Filhos de Fierro (Los Hijos de Fierro) é raro pelo simples fato de não circular amplamente desde que foi concluído em 1975. Ficou censurado por nove anos na Argentina e teve um lançamento obscuro no Brasil em 1988. É raro por ser um filme de ficção ativista de Fernando Solanas, mais conhecido por seus documentários (La Hora de los Hornos, Memoria del Saqueo, La Dignidad de los Nadies) e pelas ficções que o popularizaram nos anos 1980 e 1990 (Tangos – o Exílio de Gardel, Sur, A Viagem). É raro principalmente pela linguagem livre, inspirada nos poemas épicos El Gaucho Martín Fierro e La Vuelta de Martín Fierro, de José Hernández.

Narrados com garbo gauchesco pelos atores Aldo Barbero e Fernando Vegal, os poemas conduzem a narrativa na maior parte dos 134 minutos. Referem-se ao exílio de Martín Fierro, herói mítico da rebeldia argentina contra os dominadores espanhóis. Solanas, porém, usa o personagem fictício no lugar de Juan Domingo Perón, que se exilou na Espanha entre o golpe militar de 1955 e seu regresso à Argentina e ao poder em 1973. Assim, os personagens clássicos dos poemas viram militantes peronistas que mantêm acesa a chama do peronismo durante os anos de ditadura militar. Eles lutam na resistência em nome da manutenção da unidade popular em torno do seu líder exilado. São presos e torturados, entram em conflito e se compõem com os pelegos. Contam com o apoio do dissidente Capitão Cruz, aventura que termina numa carnificina comandada pelos milicos.

Para quem conhece a história e a mitologia argentinas, as muitas reviravoltas do roteiro ficam mais fáceis de compreender. A ação se alterna entre os pampas, onde se encontra Martín Fierro, e os bairros industriais de Buenos Aires, onde atuam os peronistas. A narrativa combina a expansividade do poema épico com cenas clássicas de sublevação popular, discussões da militância e até uma sequência tratada como comédia muda, contando com animações de quadrinhos e uma narração em forma de cordel argentino. A trilha sonora de Roberto Lar é feita de sonoridades tangueras embebidas na proverbial melancolia portenha.

Mesmo quem não consiga decifrar todas as referências pode se deliciar com o estilo efusivo de Solanas e com a magnífica fotografia em preto e branco do futuro diretor Juan Carlos Desanzo, que em muito lembra as imagens de Luiz Carlos Barreto e Dib Lutfi em Terra em Transe. A equipe era composta por membros do grupo Cine Liberación, fundado por Solanas e Octavio Getino em 1966, ao qual se juntou Gerardo Vallejo um ano depois.

Julio Troxler e Tito Ameijeiras

Nessa trupe, alguns nomes merecem consideração especial. Julio Troxler, que interpreta o “Filho Mais Velho”, foi um político e militante peronista assassinado por paramilitares ainda durante a produção do filme. Antonio Ameijeiras (o “Filho Mais Novo”) era o mesmo Tito Ameijeiras que viveria e trabalharia no Brasil até falecer em 2018, tendo sido ator de filmes brasileiros e elo importante entre o nosso cinema e o latino-americano. Por fim, cabe citar Edgardo Pallero, um dos produtores do filme, que morou no Brasil nos anos 1960 e se incorporou à chamada Caravana Farkas.      

>> Os Filhos de Fierro está na plataforma Belas Artes à la Carte

Quem não tem acesso à plataforma pode ver uma versão legendada em espanhol no Youtube.

Um comentário sobre “Martín Fierro, Perón, Solanas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s