Mito em água gelada

UNDINE no streaming

Undine só fez confirmar – ou melhor, aprofundar – minha incompatibilidade com o cinema de Christian Petzold. Se Barbara, Phoenix e o prestigiadíssimo Em Trânsito bateram mornos em mim, Undine foi um banho de água gelada. A metáfora aquática vem a calhar, pois a personagem-título tem o nome de uma ninfa das águas da mitologia germânica que, ao ser traída por seu amante, lança-lhe uma maldição na qual ele não pode mais respirar.

O argumento original de Petzold pretende trazer esse mito para a realidade da Berlim contemporânea, mas o faz de uma maneira completamente canhestra. Undine (Paula Beer, uma quase-sósia de Brigitte Bardot) é uma guia de visitantes ao Senado de Berlim, onde dá explicações sobre a urbanização da cidade. Não me perguntem a relação disso com o resto da história que eu não saberia dizer. Seu namorado a troca por outra e, logo em seguida, ela se apaixona por um mergulhador industrial (Franz Rogowski). Forma-se um triângulo amoroso bem esquisito, cujas consequências serão trágicas.

O Adágio do Concerto para Cravo BWV 974 de Bach merecia destino melhor do que pontuar esse misto de fábula e melodrama que só conversam a golpes de martelo do roteiro. Basta dizer que envolve afogamentos, morte cerebral, ressurreição e encontro com cadáver submerso. Se Petzold tivesse optado por assumir o fantástico, como fez Guillermo del Toro em A Forma da Água, talvez Undine não fosse tão brega em sua tentativa de navegar entre dois mundos.

>> Veja as plataformas onde assistir a Undine.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s