Brasília 51, o festival das mulheres

Dilma reencontra ex-companheiras da Torre das Donzelas na posse do seu segundo mandato (esta cena não é do filme)

Seguindo o exemplo do que acontece no Brasil e em muitos países, o Festival de Brasília incrementou este ano a participação feminina em todos os seus segmentos. Melhor dizendo, a proporção de homens cis nunca foi tão baixa.

O release desta 51ª edição destaca que, das 724 obras inscritas, pela primeira vez, as diretoras do gênero feminino e/ou identificadas por gêneros não binários figuram em número mais expressivo do que os diretores de gênero masculino. As diretoras mulheres representam 52,4%, enquanto 9,5% inscreveram-se sob a categoria não binária (outros). Os identificados como homens somam 38,1%.

Até na equipe de produção do festival, as mulheres são imensa maioria: 75% do quadro de trabalho.

O novo Prêmio Leila Diniz, criado este ano, vai agraciar figuras femininas que marcaram o cinema brasileiro. As primeiras ganhadoras serão a atriz Íttala Nandi e a montadora Cristina Amaral. Nada impede que no futuro mulheres venham a ganhar a similar medalha Paulo Emílio Salles Gomes, que este ano vai para o crítico e professor de cinema Ismail Xavier.

Mila Petrillo, uma das mais célebres fotógrafas radicadas em Brasília, vai inaugurar a exposição Momento em Movimento, de Mila Petrillo, com registros de grandes personagens do cinema nacional que passaram pelo Festival de Brasília desde a década de 1980. Na ocasião, também será lançado o site que disponibiliza parte do acervo da fotógrafa ao grande público.

Primavera das diretoras

Uma das grandes celebrações do protagonismo feminino na programação do festival será certamente o documentário Torre das Donzelas, de Susanna Lira. Emocionante, inspirador e em alguns momentos até divertido, o filme coloca cerca de 30 ex-presas políticas numa reconstituição estilizada da cela coletiva que ocuparam no Presídio Tiradentes entre 1968 e 1970. Dilma Rousseff era uma delas e diz coisas memoráveis sobre a experiência da prisão e da tortura. Mulheres admiráveis num filme admirável sobre o qual ainda vou escrever mais.

“Los Silencios”

Beatriz Seigner (Bollywood Dream) muda radicalmente de cenário no seu segundo longa. Los Silencios se passa na fronteira entre Colômbia, Peru e Brasil. A partir do destino de uma família, trata do drama dos refugiados dos conflitos armados na Colômbia. Beatriz esgueira-se enigmaticamente nas bordas entre fato e ficção e nos dá um filme de personalidade muito distinta. A fotografia em claro-escuro da colombiana Sofia Oggioni é ingrediente fundamental.

Outra estrela da mostra competitiva é Gabriela Amaral Almeida. Ainda lambendo o sangue da cria O Animal Cordial, Gabriela tira do ventre A Sombra do Pai, mais um exercício ligado ao seu gênero favorito, o terror. Na história, a pequena Dalva, sem conseguir se comunicar com o pai, acredita ter poderes sobrenaturais e ser capaz de trazer sua mãe de volta à vida.

“A Sombra do Pai”

Ainda na corrida pelos Candangos, três filmes são dirigidos a quatro mãos, sendo duas delas femininas. Glenda Nicácio e Ary Rosa reeditam em Ilha a bem-sucedida parceria de Café com Canela. Claudia Priscilla e Kiko Goifman assinam juntos Bixa Travesty. Victória Álvares divide com Quentin Delaroche a direção do documentário Bloqueio, sobre a greve dos caminhoneiros de maio último. O filme da noite de abertura, Domingo, é de autoria de Clara Linhart e Fellipe Barbosa. E o do encerramento, o doc América Armada, traz os créditos de Alice Lanari e Pedro Asbeg.

Ittala Nandi em “Domingo”

Na mostra Caleidoscópio, dedicada a filmes de risco, Bruna Carvalho Almeida apresenta o seu Os Jovens Baumann, ficção sobre o misterioso desaparecimento dos herdeiros de uma rica família do sul de Minas. A mostra Futuro Brasil inclui o doc Eleições, de Alice Riff, que acompanha a eleição de um grêmio estudantil de São Paulo, e a ficção cearense Tremor Iê, de Elena Meirelles e Livia de Paiva, que trata de jovens mulheres resistindo ao pós-golpe de 2016.

“Fabiana”

O cortejo de diretoras mulheres prossegue com Regina Jehá e seu documentário Frans Krajcberg: Manifesto, vasta reunião de vídeos e áudios em que o artista reconta sua trajetória e expõe sua revolta com a destruição do planeta. O filme está na mostra paralela A Arte da Vida. Na mostra Festival dos Festivais, Brunna Laboissière documentou a última viagem de uma caminhoneira trans em Fabiana. Mariah Teixeira assina com Tavinho Teixeira o elogiado Sol Alegria, um “Bonnie & Clyde com crianças” passado durante uma ditadura militar. Fabiana Assis traz de Goiânia o seu Parque Oeste, doc sobre uma mulher que tenta reconstruir sua vida depois de uma violenta desocupação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s