Glauber, revisão crítica

Glauber Rocha é o cineasta brasileiro sobre quem mais se escreveu, no Brasil e no exterior. Há biografia, análises da obra sob diversos prismas, coletâneas de ensaios e de correspondência, livros sobre momentos específicos de sua carreira (como O Leão de Veneza), sem contar os vários escritos pelo próprio. Ainda assim, é preciso reservar um lugar na estante para o recém-lançado Glauber Rocha – Cinema, estética e revolução (Paco Editorial), do crítico de cinema e professor de Filosofia Humberto Pereira da Silva.

Conciso mas abrangente, o livro de Humberto reconta vida e obra de Glauber de maneira condensada e cronológica, servindo portanto como uma ótima fonte de iniciação nos misteres do artista. Já na apresentação, o autor explicita sua intenção de abordar “as motivações de base” e os caminhos trilhados por Glauber em sua trajetória artística, política e de estrategista do cinema brasileiro.

Embora comandado pela linha biográfica, o texto não se furta a deter-se sobre a estrutura e o sentido profundo dos filmes, bem como sobre episódios cruciais da relação de Glauber com a vida política. Os choques dialéticos com a esquerda são resenhados no bojo da reflexão glauberiana sobre os destinos do Terceiro Mundo. Um exemplo é a famosa defesa dos militares como libertadores do subdesenvolvimento e portadores da liberdade nos últimos tempos da ditadura, que ganha no livro uma contextualização pormenorizada e lúcida. Humberto de fato tenta compreender o gesto sem escamotear sua inoportunidade nem suas razões psicológicas. “No confronto com as esquerdas, o artista vulcânico e entusiasmado dos primórdios do Cinema Novo foi transfigurado num personagem trágico e sombrio”, resume na página 124.

Filme a filme, gesto a gesto, polêmica após polêmica, Glauber é revisto com olhar ao mesmo tempo compreensivo e crítico. A indistinção entre vida e obra, como praticada pelo cineasta, repercute no livro. Nesse sentido, destacam-se os miniestudos de Humberto a respeito de filmes menos dissecados por aí, como Di-Glauber e as obras do exílio: Cabeças Cortadas, O Leão de Sete Cabeças e Claro. Da mesma forma, conceitos como “estética da fome” e “zero ideológico” são explicados de modo claro e direto.

Uma revisão mais acurada teria detectado equívocos na grafia de nomes próprios e numa informação pontual como mencionar o histórico Cinema Guarani de Salvador como Cine Glória. Descontadas, ainda, uma ou outra elaboração de ideias ligeiramente confusa, esse pequeno livro chega como uma grande contribuição de referência e introdução ao tumultuoso e radiante universo de Glauber Rocha.

2 comentários sobre “Glauber, revisão crítica

  1. Carlos Alberto: Otima introducao ao livro do Humberto. Assim que chegar, corro pra livraria do cinema do Adhemar… Abs,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s