Documentários: a teoria do Chokito

Os números falam muito, mas será que dizem tudo?

Minha amiga Helena Sroulevich, pesquisadora do Laboratório do Audiovisual do Instituto de Economia da UFRJ – Núcleo de Economia do Entretenimento, enviou-me em primeira mão um estudo que acaba de fazer sobre a performance dos documentários brasileiros em salas de cinema desde a Retomada, ou seja, após 1995. As cifras são, à primeira vista, desanimadoras.

Cito seu trabalho textualmente: “Dos 666 filmes brasileiros lançados desde a Retomada, 178 correspondem a documentários; o que demonstra que pouco mais de ¼ de todos os filmes brasileiros (26,73%) são deste gênero. No que tange à audiência, documentários foram vistos por 2,52%, equivalente a 3.473.633 espectadores, em um total de 137.871.094 de público do cinema brasileiro.”

Ainda segundo o estudo, os docs representam, em média, 20% de todos os títulos brasileiros lançados em um determinado ano. Em 2009, essa participação chegou à marca de 40% dos títulos – a maior fração encontrada em toda a Retomada.

Trocando em miúdos: há muitos docs nas telas, mas pouquíssima gente para vê-los. 

Isso leva água para a fonte de quem acha que lugar de documentário é na televisão. Mas a TV no Brasil, com as clássicas exceções das TVs públicas e do Canal Brasil, se interessam muito menos pelo produto do que um exibidor como o Unibanco Arteplex. Por que, então, passar docs brasileiros no cinema?

Eu tenho uma resposta. É minha teoria do Chokito. Suponhamos que as lanchonetes dos cinemas vendam cerca de 10 Chokitos a cada 100 sacos de pipoca e 100 cafezinhos. Deve ser mais ou menos assim, não? Mas por que vendem Chokito? Ora, porque há quem goste. Não muitos, mas há. O Chokito já vem pronto, é mais simples de estocar e manusear, não ocupa muito espaço no balcão nem mão-de-obra. Então vale a pena ter Chokito para os poucos que o procuram.

Os docs são uma espécie de Chokito. Num trecho do seu estudo, Helena dá uma explicação que me ajuda:

“Como a maioria dos documentários é produzida em HD (high digital – baixo custo de captação/produção), seu destino de exibição é, prioritariamente, as salas do circuito Rain, que detêm projetores digitais não reconhecidos pelas majors e, portanto, não ocupados por títulos distribuídos por estas empresas. É um circuito com grande potencial de escoamento para a produção nacional em geral – detalhe que merece estudo mais aprofundado -, em que a variável público/ingresso tem menos influência na decisão do distribuidor (custos de cópias e marketing são infinitamente menores). Explica-se, portanto, porque documentários que representam em média 20% dos lançamentos brasileiros são viáveis nestas salas, mesmo representando pouco mais de 2,5 % do público frequentador.”

Ou seja, os docs não devem ser analisados na ponta do lápis das estatísticas. Eles são pontos fora da curva do mercado – ou, melhor dizendo, constituem um submercado à parte, onde as contas fecham em escala diferente. É fonte de prestígio para uma cadeia de cinema exibir o último doc do Lírio Ferreira, do João Moreira Salles ou do Sylvio Back, digamos. Existe um pequeno público para eles, que justifica uma sala, alguns horários. Como o Chokito.

Avançando em suas considerações, Helena Sroulevich examina os tipos de docs do período. Conclui que “dos 178 documentários, 19 (10,50%) são biográficos; 21 (11,60%) são musicais e 12 (6,63%) são esportivos; restando mais de 70% de documentários sobre assuntos ou episódios gerais da História e da Sociedade Brasileiras”. Já em relação à procura do público, constata que os números se alteram: “os documentários esportivos ficaram com mais de 25% dos espectadores; pouco mais de 20% assistiram a musicais; em torno de 17,5%,  biográficos; e os não categorizados refletem pouco mais de 35% do público”.

A partir desses dados, a pesquisadora infere que uma expansão do público de docs poderá se dar caso a produção “esteja mais sintonizada com os resultados de público dos subgêneros”. Ou seja, se produzirmos mais docs esportivos, musicais e biográficos, podemos esperar uma maior atenção dos espectadores de cinema.

Do ponto de vista mercadológico, isso pode ser verdade. Mas significaria um empobrecimento do doc autoral e uma concentração ainda maior nas formas convencionais que se confudem com a reportagem de televisão. Eu acho que o doc hoje é um campo privilegiado da invenção cinematográfica no Brasil, e como tal deve ser absorvido entre pipocas e cafezinhos.  

5 comentários sobre “Documentários: a teoria do Chokito

    • Fala Helena Sroulevich: “Devo publicar, primeiramente, no Instituto de Economia da UFRJ, como texto para discussão, e depois em outras publicações, como em outros textos que já escrevi.”

Deixe uma resposta para Cid César Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s