A faxina digital

A substituição do celuloide pelos arquivos digitais não trouxe apenas uma mudança de suporte, mas também uma alteração em toda a ontologia do cinema.

A começar pelo sentido de duração, antes determinado pela sucessão de fotogramas. Mesmo nas fitas de vídeo e até nos DVDs, era possível estabelecer uma relação entre a duração do filme e o estágio físico em que o suporte era percorrido linearmente. Olhar uma fita no projetor ou num cassete de vídeo, ou a posição do leitor ótico num disco digital nos permitia saber, materialmente, em que ponto do filme nos encontrávamos. Hoje, com os arquivos digitais, essa verificação só é possível mediante uma indicação não física, mediada por softwares. O paralelo entre matéria e filme se perdeu.

As fitas e discos nos garantiam uma impressão de materialidade, que de certa maneira compensava a operação puramente virtual que é própria de todo cinema. Ainda que fosse de uma forma precária, esses objetos nos asseguravam a presença do filme. Era possível “pegá-lo” com a mão, transportá-lo com a certeza de quem levava uma fruta do mercado para a geladeira. Num pendrive ou numa transmissão online, somos obrigados a acreditar, no escuro, que o filme está ali, à espera de que um hardware confiável faça a conversão milagrosa do nada em filme.

A fita de celuloide possibilitava “ver” o filme, ou seu mapa genético, através dos fotogramas, sem necessariamente movimentá-los numa máquina de visionamento. Se isso ficou impossível no vídeo e nos discos, restava ali ainda o substrato de uma presença adivinhável: invisível mas palpável. Os arquivos digitais deletaram completamente esse tipo de percepção, deixando-nos à mercê da fé informática como única garantia. O cinema abre mão de sua consistência material e entra num buraco negro, um túnel desconhecido ao fim do qual ressurgirá somente na tela como algo quase sobrenatural.

Desapareceram, com as fitas, também o facho de luz sobre nossas cabeças, o ruído do projetor, os riscos que prenunciavam a troca de rolos, o brado dos indignados com a falta de foco, o suor dos transportadores de latas, a fome dos arquivistas de cinemateca. O digital fez uma faxina na mitologia da exibição cinematográfica. Talvez esteja apenas cumprindo a vocação fantasmática do cinema desde sempre. A arte que mais mobiliza os recursos materiais do mundo se apresenta, ao fim e ao cabo, como um jogo de luzes e sombras, tão imaterial quanto as aparições de Fátima.

Um comentário sobre “A faxina digital

Deixe uma resposta para Francisco Viana Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s