Novo inventário de suspeitas

É Tudo Verdade: JFK REVISITADO – ATRAVÉS DO ESPELHO

Quando realizou JFK: A Pergunta que Não Quer Calar, em 1991, Oliver Stone foi acusado de criar teorias de conspiração. Filme que eu considero uma obra-prima de levantamento de suspeitas, foi objeto de polêmica e rejeitado por aqueles que só acreditam em versões oficiais. Mas sua repercussão reabriu investigações e levou à criação de uma comissão independente de Revisão de Dados de Assassinatos. Muitos documentos que foram então liberados para conhecimento público convergem para a hipótese aventada por Stone.

Assim, o diretor se autoriza a dizer que esse novo filme não é mais de teoria, mas de “fatos de conspiração”. Stone não tem nenhuma preguiça de seguir o rastro das suspeitas de que Kennedy foi assassinado como parte de um projeto da CIA e do FBI. Para isso, retoma sua rede de testemunhos, agora não mais embrulhada com o papel de presente da ficção.

JFK Revisitado – Através do Espelho (JFK Revisited – Through the Looking Glass) é um desfile incessante de argumentações, nomes e rostos que pode siderar os muito interessados e exaurir os meros curiosos. O filme se divide em cinco atos bem segmentados. No primeiro, uma espécie de prólogo, é relembrado o duplo assassinato (Kennedy e Oswald).

Em seguida, o roteiro de James DiEugenio se detém nas inconsistências do Relatório Warren, que forneceu a versão oficial de que Oswald havia agido sozinho. As dúvidas balísticas e científicas envolvem a quantidade e a direção dos tiros desfechados contra o carro do presidente, o suposto rifle do atirador solitário, o descarte de possíveis testemunhas, mudanças nas declarações de médicos, manipulações na autópsia do corpo e até a hipótese macabra de que o cérebro de Kennedy havia sido trocado nos procedimentos pós-morte.

O terceiro ato esquadrinha a carreira de Lee Oswald como agente duplo distribuindo panfletos pró-Cuba e ao mesmo tempo mantendo ligações com o FBI e a CIA. Por fim, reporta-se às divergências de Kennedy com os falcões da direita a respeito da política externa. Haviam sido frustrados dois planos anteriores de matar Kennedy, com notáveis coincidências de método.

O oceano de informações é vasto, mas navegável por obra do timão seguro do diretor. Para quem atravessá-lo pode não haver a recompensa de um desembarque na terra firme de uma conclusão, mas sim na praia de novas incertezas quanto ao crime que abalou o mundo em 1963.

Entre tantas conjecturas sobre as manobras insondáveis da CIA, fiquei particularmente impressionado com um depoimento de Robert F. Kennedy Jr., filho de Bobby Kennedy: “Meu pai queria mandar uma mensagem a Krushev dizendo que nossa família sabia que a URSS não estava envolvida no assassinato, que foi uma conspiração da direita americana”, afirma.

Bem, Robert F. Kennedy não é flor que se cheire. É ativista anti-vacina e conhecido por divulgar fake news. Oliver Stone pode ter sido simplesmente oportunista em buscar sua declaração. Mas ela se agrega a tantos outros testemunhos persuasivos que, no mínimo, adensam ainda mais o nevoeiro em torno do assunto.

Exibição:
08/04 – 19h: online – É Tudo Verdade Play – Limite de 1500 visionamentos.

Um comentário sobre “Novo inventário de suspeitas

Deixe uma resposta para Rafael Dias Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s