Eu Sou Carolyn Parker, a Boa, a Louca e a Bonita

Como ele mesmo conta aí embaixo, este é o primeiro texto de um possível novo resenhista de filmes. Só o tempo e os ventos dirão se Daniel F. Sroulevich, hoje trabalhando com produção, vai tomar gosto pela coisa.

Amigo da família de longa data e agora meu amigo, o crítico Carlos Alberto Mattos me chamou, como quem não quer nada, para fazer uma crítica. Explico: Estávamos na exposição de Fernando Pimenta – mago dos cartazes –, eu queria ver um filme, dei uma rápida olhada na programação e me deparei com a sinopse desse (era o de horário mais próximo). Comentário de Carmattos: “Meio déja vu, mas se quiser fazer uma crítica eu publico”. Aceitei, negando e titubeando… Afinal, crítico dos críticos como sou e com mãe escritora, pai jornalista e irmã com um blog sobre cinema, tava arrumando sarna pra me coçar.

Nos filmes documentários, o conteúdo me interessa mais que a forma. Ponto positivo para este sobre Carolyn. Fala de uma mulher que perdeu tudo, assim como milhares, com a enchente do Katrina, em 2005. O diretor, Jonathan Demme, estava atrás de um(a) personagem em uma área pobre da cidade e conseguiu. A única que não quis ir para um abrigo: “Só saio da minha casa de baixo do meu cadáver”. O Governo empresta um trailer e com a filha (que estudava em outro estado e volta para ficar com a mãe) e o filho (que larga o emprego pelo mesmo motivo da irmã) moram no quintal da casa por 4 anos!

No decorrer do filme, Carolyn, participante do movimento da igualdade civil dos negros na década de 1960, discute com o prefeito – ao vivo, na CNN! –, com os padres da cidade – a igreja do bairro pobre fica em segundo plano, enquanto a do bairro rico é reerguida rapidamente – e assim, meio que aos trancos e barrancos, ela vai conseguindo tudo – lentamente, pois tanto lá, quanto cá, as instituições não são tão eficientes – com uma boa dose de coragem e excelente lábia.

O filme tecnicamente não tem grandes pretensões (edição linear, fotografia comum e música OK) e não é nada demais (sim é déja vu, Carlinhos), mas tem o mérito de acompanhar essa mulher por 5 anos! E ela é, de fato, um exemplo de ativismo político, correção, coragem e humor. No mais, ela só queria voltar pra casa. E quem não quer?

Daniel F. Sroulevich

4 comentários sobre “Eu Sou Carolyn Parker, a Boa, a Louca e a Bonita

  1. Que isso?! Fury Sroulevich, seu traidor da causa! Se vendeu barato, subornado pelo charme e a voz mansa do xará. E para quem dizia que não tinha o menor pendor para a palavra, hein? Brincadeira… Sarros à parte, foi um início pretensioso (afinal, este é um espaço nobre), mas auspicioso. Acho que você deveria se arriscar mais. Quem sabe no blog da sua irmã, não é verdade? Afinal, assisti ao doc do Ayrton Senna instigado pela sua análise. Depois eu me entendo com o Carlinhos.
    Carlos Eduardo Bacellar

    • sem panico minha gente! tá liberado o copyright! rsrs e no próximo(sera que teremos um?) eu escrevo pra vocês tbm!
      abs!

Deixe uma resposta para Doidos por Cinema Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s