Agruras do baixo orçamento

Da comédia que faz chorar ao dramalhão que faz rir, “B.O.” dribla as deficiências técnicas com o discurso autorreflexivo e faz do limão uma razoável limonada.

Uma difícil visita

Com as dramáticas relações entre os poucos personagens mantidas sob admirável controle, o diretor de O ANO DE 1985 nos faz aceitar bem um roteiro que parece defasado em pelo menos 20 anos.

A árvore das imperfeições humanas

A ÁRVORE DOS FRUTOS SELVAGENS é um conto filosófico, com certeza, mas também uma história de conflito de gerações e uma parábola sobre a dificuldade de se entender o outro e aceitá-lo com suas imperfeições.

Perversão do erotismo

Se levarmos em conta que o distanciamento moral é uma maneira de tornar a trajetória de Carlos Robledo ainda mais espantosa, O ANJO se mostra não menos que eletrizante.

Dança macabra

SUSPIRIA é um thriller de horror tecnicamente competente, mas que se perde no excesso de ingredientes e de apelações grotescas.

Bixiga desvairada

A atuação de Zé Celso em HORÁCIO é um deleite à parte, tanto no seu típico gestual dionisíaco quanto na forma como lança no ar suas falas.