Rever um filme, por Comolli

Trecho do texto “Post-scriptum – No quarto de Moebius”, in Ver e Poder, de Jean-Louis Comolli (Ed. UFMG, 2008) Nunca vemos duas vezes o mesmo filme. Experiência sempre renovada, surpresa que volta, rever um filme é transformar a relação que se construiu com ele, um dia, uma vez. Eu mudei, o filme também. Os outros…

Cinema e lugares incomuns

(Artigo publicado originalmente na revista Filme Cultura 60, jul/ago/set-2013) Tanto quanto produto de circulação cada vez mais global, o cinema constitui também um fenômeno intensamente local do ponto de vista da recepção. Se por um lado as condições de mercado moldam a oferta de filmes nas salas de cada região, por outro o público interage…

Helena Salem – entre o cinema e a política

(Artigo publicado originalmente na revista Filme Cultura nº 59) Quando entrevistava Leon Hirszman para seu livro sobre Nelson Pereira dos Santos, aflita na tentativa de compreender seu personagem, Helena Salem ouviu um alerta do diretor de São Bernardo: “Compreender vai ser difícil”. Mas ela só foi perceber a extensão da frase anos depois, quando escrevia…

Borges e o cinema

Reponho aqui um artigo escrito em 1997, ainda no tempo do VHS, movido pela decepção com um lançamento da época. Mas quanto às relações do escritor argentino com as telas, acho que o texto continua atualizado.   Chegada recentemente à prateleira das locadoras, a fita esconde-se sob o título banal de As Faces do Crime.…

Com a palavra, os críticos

A suposta decadência da crítica de cinema, sua relativa perda de autoridade e sua diluição no torvelinho das opiniões online são motivos frequentes de comentários nas redes sociais. Há mesmo um certo descaso entre o público mais culto, para quem a crítica tornou-se supérflua ou até desprezível. Se há uma pessoa para quem os críticos…

Plano geral no Planalto Central

Bernardo Sayão, o mítico desbravador do Centro-Oeste, gostava de tirar uma soneca nos cinemas pioneiros do Núcleo Bandeirantes, em Brasília. Uma câmera que pertencera a Andy Warhol foi parar numa pequena produtora alternativa dos primeiros tempos da Novacap. O Polo de Cinema do Distrito Federal foi instalado inicialmente na antiga residência do general Golbery do…

A revista fora do plástico

O Som ao Redor fala com sutil veneno sobre o Brasil e com talento exuberante sobre o melhor cinema brasileiro de hoje em dia. E ainda: fala com segurança e coesão sobre a carreira do próprio diretor.

Um conto uruguaio

Jorge sai da cinemateca para entrar na vida, a vida útil do título, ou seja lá o que isso for. Caminhando pela cidade em busca de um certo encontro, ele abandona a contemplação e se torna personagem do seu próprio filme particular.

O intelectual de ação

Paulo Emilio Salles Gomes (1916-1977) virou uma espécie de ícone, uma reserva de inteireza e sofisticação intelectual que os mais velhos no meio cultivam como uma árvore frutífera para alimentar os mais novos.

Carta da Abraccine

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) manifestou-se através de Carta ao presidente da Riofilme, Sérgio Sá Leitão, a respeito de seu post ofensivo no Facebook. Carta ao presidente da RioFilme A Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema) repudia os termos com quais o presidente da RioFilme, sr. Sérgio Sá Leitão, manifestou-se nas redes sociais…

Presidente casca grossa

No afã de “defender” a comédia E aí, Comeu?, que a Riofilme coproduziu e está ajudando a distribuir, o presidente da entidade, Sérgio Sá Leitão, postou sábado no Facebook e no Twitter algumas pérolas do estilo que o vai caracterizando. Numa delas, chama atenção pelo contrassenso do comentário, já que O Globo está longe de…

Bresson por Mocarzel

Evaldo Mocarzel é apaixonado por Robert Bresson. Quem não sabia disso vai ter a medida aproximada nesse texto que ele escreveu para nosso blog e para o site Críticos. A ideia inicial era resenhar o livro Bresson – ou o Ato Puro das Metamorfoses, de Jean Sémolué, lançado em 2011 no Brasil pela editora É…

Facebook contra Bonequinho

Um novo capítulo nas relações entre crítica, exibição cinematográfica e redes sociais pode estar sendo escrito agora mesmo aqui no Rio. Estreou na última sexta-feira o filme chileno A Vida dos Peixes, de Matías Bize. A crítica Susana Schild atribuiu-lhe um Bonequinho dormindo em O Globo e um texto inspirado em que tirava sarro com…

Sucessos segundo Ely Azeredo

O crítico e amigo Ely Azeredo enviou comentários a respeito do assunto do meu post anterior, As contas do nacional-popular.  Mais que meros comentários, acho que merecem o destaque de um post especial. Rabiscos às margens de seu estudo para Filme Cultura >O CANGACEIRO – Um dos muitos enigmas, até porque é sabido que havia “caixas…

O pré-Hemingway de Curitiba

Essa cara de moleque paranaense aí em cima não engana. Bem antes de pular para trás das câmeras, Sylvio Back era um jovem crítico de cinema e teatro, jornalista “entrão” que sonhava em ser copidesque, posição cobiçada nas redações em fins dos anos 1950. O Diário do Paraná confiou-lhe em1959 a edição de sua página…

Críticos de cinema do Rio elegem os melhores do ano

A Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro elegeu ontem (terça) os melhores filmes de 2011. Foram considerados os lançamentos em salas no Rio de Janeiro até 20 de dezembro, deixando de fora as estreias das duas próximas sextas-feiras. Após dois turnos de escrutínio e discussões, envolvendo a participação de 21 críticos, chegou-se…

Os anos loucos da Cahiers

Numa especialíssima sessão na quarta-feira, o Fórum Doc BH apresentou – provavelmente pela primeira vez fora da França – o filme À Voir Absolument (Si Possible) – Dix Années aux Cahiers du Cinéma, 1963-1973. Cheirando ainda à mesa de edição, ele aparece na internet como lançamento de 2012. O privilégio dos mineiros veio por conta…

A crítica como processo

Resenha publicada em O Estado de S. Paulo de 1.10.2011 com o título “Lições de cinema e crítica” Saiu a imagem de Pereio com o revólver na boca em O Bravo Guerreiro e entrou uma arte meio psicodélica com desenhos de pupilas. Afora essa atemporalização da capa e o novo prefácio de Luiz Zanin Oricchio,…

Uma história de amor e ódio

Republico abaixo o comentário que escrevi sobre o doc Crítico por ocasião do Festival do Rio de 2008. O longa de estreia de Kleber Mendonça Filho tem uma virtude indiscutível: torna no mínimo palatável uma discussão geralmente aborrecida, que é a relação entre críticos de cinema, cineastas e indústria cultural. Kleber está no centro dessa…