Meu 2017 e os filmes preferidos

Apesar do bode político no meio da sala e da nuvem negra que estacionou sobre o país, não posso dizer que 2017 foi um ano ruim pessoalmente para mim. Fiz duas belas viagens internacionais, estive em harmonia com minha companheira, meus familiares e amigos.

No cinema, não tive um ano dos mais movimentados, mas tampouco houve espaço para tédio. Mantive a média das últimas temporadas, tendo assistido a 357 filmes de longa-metragem durante o ano, ou seja, quase um por dia. Ainda não encontrei tempo nem disposição para as séries – e sei que posso estar perdendo muita coisa boa, mas ok, a gente não pode ter tudo.

Fiz um upgrade na formatação do blog, o que me deixou bastante satisfeito. No Facebook criei a página “Mabuse – Mil Olhos para o Cinema“, que reúne links de críticas de dezenas de colegas de todo o Brasil sobre os filmes em cartaz. Daqui a mais algumas horas você já poderá encontrar este post junto aos balanços do ano e listas de melhores de outros críticos.

Entre palestras, aulas livres e debates, destaco a série de masterclasses e videoconferências que fiz no SESC, a convite de Marco Fialho e Flávia Prosdocimi. Convidado por Kleber Mendonça Filho e Arthur Leite, lancei meu livro “Cinema de Fato – Anotações sobre Documentário” em duas cidades pernambucanas: Recife e Belo Jardim. Escrevi prefácios para o livro de Miguel Freire sobre Mario Carneiro e para um coletânea de críticas de Marcelo Janot, ambos a sair em 2018. Gravei depoimentos para um vídeo de Adriana Cursino sobre José Carlos Avellar, para um filme de André Mauro sobre Humberto Mauro e, juntamente a Bia Lessa e Eryk Rocha, entrevistas biográficas para um livro a ser editado por Flora Sussekind e Marília Martins. Participei dos júris do Prêmio Fenix de cinema iberoamericano e do X Janela Internacional de Cinema do Recife, e ainda de uma comissão de seleção de projetos da BB-DTVM.

Passo agora às minhas listas de filmes preferidos de 2017. Temo que elas destoem muito da média de “melhores do ano” dos meus colegas, mas seguramente refletem a minha apreciação estritamente pessoal, à margem de qualquer consideração de mercado, reputação ou mesmo de “gosto crítico”. São quatro listas, separadas entre ficcão e documentário, e entre os filmes lançados no circuito de cinemas e aqueles vistos em mostras, festivais e outras plataformas. O título de cada filme contém um link para meu respectivo comentário.

 

FILMES DE FICÇÃO DO CIRCUITO

Poesia sem Fim, de Alejandro Jodorovsky
O Cidadão Ilustre, de Mariano Cohn e Gastón Duprat
Gabriel e a Montanha, de Fellipe Barbosa
Além das Palavras, de Terence Davies
Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
O Fantasma da Sicília, de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza
El Amparo, de Rober Calzadilla
O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
A Criadade Chan-wook Park
Fala Comigo, de Felipe Scholl

 

DOCUMENTÁRIOS DO CIRCUITO

Lumière! A Aventura Começa, de Thierry Frémaux
Jonas e o Circo sem Lona, de Paula Gomes
Martírio, de Vincent Carelli
Quem é Primavera das Neves, de Jorge Furtado
No Intenso Agora, de João Moreira Salles
Sinais de Cinza – A Peleja de Olney Contra o Dragão da Maldade, de Henrique Dantas
Central, o Filme, de Tatiana Sager
Olhando para as Estrelas, de Alexandre Peralta
Xingu Cariri Caruaru Carioca, de Beth Formaggini
Galeria F, de Emilia Silveira

 

FILMES DE FICÇÃO FORA DO CIRCUITO

A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho
Unicórnio, de Eduardo Nunes
120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo
O Lagosta, de Yorgos Lanthimos
Christine, de Antonio Campos
A Festa, de Sally Potter
As Boas Maneiras, de Marco Dutra e Juliana Rojas
O Animal Cordial, de Gabriela Amaral Almeida
O Nascimento de uma Nação, de Nate Parker
Okja, de Bong Joon-ho

 

DOCUMENTÁRIOS FORA DO CIRCUITO

El Pacto de Adriana, de Lissette Orozco
Dawson City: Frozen Time, de Bill Morrison
Visages Villages, de Agnès Varda e JR
Amazona, de Clare Weiskopf
Last Men in Aleppo, de Firas Fayyad
The Workers Cup, de Adam Sobel
Small Talk, de Huang Hui-Chen
Politica, Manual de Instrucciones, de Fernando León de Aranoa
Escada para o Céu: A Arte de Cai Guo-Qiang, de Kevin MacDonald
La Libertad del Diablo, de Everardo González

8 comentários sobre “Meu 2017 e os filmes preferidos

  1. Carlinhos, seu 2017 foi bem produtivo. Parabéns!
    Guardo sua lista pra me guiar e ver o que ainda não vi, aliás, muita coisa.
    Um 2018 mais feliz pra todos nós.

  2. bem legais as listas! Permita-me dizer, em relação às divisões que praticamente todas as listas reproduzem, que acho ótimo que você NÃO separe filmes brasileiros de estrangeiros, mas não entendo e não acho razoável separar ficção de docs….

    • Entendo seu questionamento, Roberto. Eu faço essa separação porque assisto a muitos documentários, bem mais do que a média dos meus colegas. Então essa é uma forma de contemplar mais filmes que aprecio enormemente. Já pensei em tirar uma lista de 10 melhores-melhores a partir das duas listas, mas acho que ficaria excessivo.

      • Certo, Carlos, imaginei mesmo que fosse por aí… É que eu também assisto e aprecio muitos documentários – especialmente brasleiros – e , na verdade, acho ótimo que eles “roubem” posições privilegiadas de filmes ficcionais nas listas…

Deixe uma resposta para Marco Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s